Quando crescemos, uma parte dos conhecimentos dos nossos pais transfere-se para a nossa forma de ver a vida. Há 20 anos, ter um seguro de vida era algo que a maioria não se podia permitir, era quase um produto de luxo.

A sociedade foi evoluindo, a esperança de vida aumentou, aparecem novos acidentes (muitos derivados das novas tecnologias) e enfrentamos um cenário onde a responsabilidade financeira se aplica a todos os estratos sociais.

Diziam os avós que a independência chegava através da independência económica. Aceder a um posto de trabalho, comprar uma casa, adquirir produtos e serviços, planear uma família, todas estas metas se avaliam com o prisma da economia.

Com este mesmo prisma, devemos ponderar a necessidade de um seguro de vida e acidentes. Para uma sociedade na qual se considera que a compra de um terminal móvel de 1000 euros é uma “necessidade”, quanto deveria valer a estabilidade de uma família?

Embora, para alguns, possa ser uma necessidade ter um terminal que possa realizar as tarefas que lhe são requeridas, nunca uma marca teve o poder de ser o único a cumprir estas tarefas.

Talvez seja mais fácil se dermos um exemplo. Imagine que quer um telemóvel novo, tem de tirar fotos, trabalhar com o correio eletrónico, ler e escrever documentos, digitalizar, assinar digitalmente, pagar e, claro, falar ao telefone.

Com estas necessidades, há muitas marcas no mercado que podem proporcionar-lhe um telefone inteligente. Os preços podem variar entre os 400 e 1300 euros, com as mesmas características, só muda a marca.

Se a marca for tão importante, não contratará pelo preço algo tão significativo como o seguro de vida. Isso seria coerência. Se a marca não for importante, terá para contratar um seguro de vida. Isto também é coerência.

Por coerência, o que é que o impede de proteger os seus?