Cada vez se ouve mais falar sobre fazer desporto em jejum mas, em que é que se baseia realmente esta atividade? Será benéfica para a nossa saúde?

O treino em jejum é aquele que se realiza após várias horas sem ingerir alimentos com o objetivo de minimizar as reservas de glicogénio hepático (hidratos de carbono armazenados no fígado) e, desta forma, conseguir que o nosso corpo utilize a gordura como combustível, reduzindo assim a percentagem de gordura corporal.

É esta a razão que tem levado muitos a pensar que o desporto em jejum é uma boa técnica para conseguir melhores resultados físicos. Mas especialistas em nutrição desportiva como Antonio Murillo desmentem estes supostos benefícios, e inclusive realçam que “o risco que se corre é importante, sobretudo se a atividade física é realizada de forma solitária, uma vez que pode provocar uma grande fatiga, tonturas ou até a perda de consciência, como consequência da escassez energética”.

Recordemos que o pequeno-almoço é a refeição mais importante do dia, que depois de toda a noite de jejum, o corpo precisa de nutrientes para começar a funcionar bem e render de forma adequada. Se decidimos correr com o estômago vazio, é recomendado que o treino seja moderado, para que o nosso corpo tenha tempo de utilizar a gordura como combustível sem nenhum problema.

O inconveniente surge quando praticamos um tipo de exercício físico muito intenso, o nosso corpo precisa de energia de forma rápida e não dispomos de suficiente da mesma para aguentar a duração/intensidade do treino.

Por isso, recomenda-se comer alimentos ricos em hidratos de carbono simples antes do nosso treino, como a fruta, pois são de absorção rápida, o que nos permite fazer desporto sem pôr em risco a nossa saúde.

Fonte: http://www.elmundo.es/yodona/fitness/2016/05/22/5703982f46163f03318b4664.html

 

Publicado: 10-08-2018