Médicos, nutricionistas e familiares dizem que devemos comer um pequeno-almoço consistente e que nunca devemos “saltar” esta refeição e que é a mais importante do dia. As razões indicadas passam pela perda de peso ou por uma maior satisfação ao longo do dia, mas o fundamental é escolher correctamente aquilo que se come depois de acordar.

Mito nº1 – É melhor tomar um pequeno-almoço grande.

Um grande pequeno-almoço que seja rico em hidratos de carbono ou gorduras é provavelmente mais prejudicial do que não comer nada. Começar o dia com uma taça de cereais, por exemplo, com alto nível de açúcar, irá fazer disparar os níveis de açúcar no sangue, criando uma sensação de fome mais rapidamente.

Outras escolhas aparentemente saudáveis, como a granola ou as barras energéticas, têm o mesmo efeito. No caso de incluir carnes processadas, como salsichas ou bacon, aumenta-se o risco de elevar o colesterol.

Mito nº2 – Pequenos-almoços grandes ajudam a perder peso.

Vários estudos foram apresentados, no passado, demonstrando que o pequeno-almoço era uma boa forma de ajudar a perder ou a manter o peso. No entanto, estudos mais recentes não conseguiram estabelecer uma relação causa-efeito entre as duas coisas.

Mito nº3 – O pequeno-almoço é fundamental e toda a gente o deve tomar.

Será que o pequeno-almoço é mesmo a refeição mais importante? Depende. Não existe uma fórmula perfeita nem soluções iguais para todos. As preferências pessoais são importantes – nem toda a gente quer ou pode comer logo ao começar a manhã. Caso o pequeno-almoço o faça sentir demasiado cheio ou sem energia, provavelmente não é uma boa ideia.

No livro Don’t Lose Your Mind, Lose Your Weight, a nutricionista Rujuta Diwekar defende que devemos comer refeições pequenas a cada 2 ou 2,5 horas, para aumentar o rácio com que queimamos gorduras. Outra opção é o jejum intermitente – não tomar pequeno-almoço e fazer apenas duas refeições por dia. Existe uma forma diferente para cada pessoa.

Mito nº4 – Não entrar em loucuras.

Num mundo onde a obesidade está a aumentar e as doenças relacionadas com o estilo de vida aparecem cada vez mais, a moderação e a o bom senso são o mais importante. Prestar demasiada atenção a uma das refeições pode resultar em perda de peso para algumas pessoas, no curto prazo, mas não será sustentável.

A saúde e o bem-estar dependem da combinação de vários factores. Descubra aquilo que é mais indicado para si, falando com o seu médico, e prestando atenção aos seguintes pontos:

Aquilo que come – frutas? Vegetais? Comidas processadas? Tenha em consideração a proporção de macronutrientes (hidratos de carbono, proteínas, gorduras) que ingere diariamente;

Com que frequência come – experimente alterar o número de vezes que come e o tamanho das doses para saber o que funciona melhor para si.

Obtém uma quantidade suficiente de micronutrientes (vitaminas e minerais)?

Faz exercício? Quanto? Se não o faz, deveria começar o mais rápido possível.

Quer escolha tomar pequeno-almoço ou não, a preferência é sua. Se pretende um corpo e um estilo de vida saudáveis, a linha orientadora deve passar por ser moderado em todas as refeições que tomar, fazer exercício com regularidade e ser consciencioso com a forma como se trata.

Consulte o seu médico de família ou especialista caso pretenda fazer alterações significativas na sua dieta ou estilo de vida.

 

[1] Brown AW, Bohan Brown MM, Allison DB, Belief beyond the evidence: using the proposed effect of breakfast on obesity to show 2 practices that distort scientific evidence, 2013

[2] Dhurandhar, E. J., Dawson, J., Alcorn, A., Larsen, L. H., Thomas, E. A., Cardel, M., Allison, D. B. The effectiveness of breakfast recommendations on weight loss: a randomized controlled trial, 2014

Publicado: 10-08-2018