No nosso dia-a-dia existem sempre motivos de preocupação – chegar a tempo ao trabalho, levar as crianças à escola, preparar uma reunião com um cliente importante, pagar as contas, entre mil outras coisas Parece que nunca temos verdadeiramente total controlo das nossas vidas e não é raro chegar ao fim do dia com a sensação de que nos falta tempo. E é aqui que entra o stress.

Num mundo cada vez mais acelerado, em que o trabalho é o eixo central do nosso mundo, os momentos de descontração e de prazer são muitas vezes deixados para trás. Passamos menos tempo do que gostaríamos com as pessoas de quem mais gostamos. O stress torna-se inevitável, porque é um mecanismo de defesa interno que entra em acção quando nos sentimos ameaçados [1].

O stress pode revelar-se de muitas formas: Insónias, dores de cabeça, ansiedade, cansaço, alterações alimentares, problemas digestivos, etc. [2]. Para evitar ou reduzir estes problemas, é preciso mudar hábitos e formas de pensar. Baixar o ritmo de vida não é fácil, mas não podemos deixar que as circunstâncias nos controlem.

Devemos começar por ser realistas e não querer fazer tudo – Saber dizer que não é fundamental!

Devemos respeitar os horários definidos – Não adiar tarefas nem deixar que estes sejam ultrapasados.

Devemos descansar bem – Cumprir as horas necessárias e sem distracções.

Devemos fazer desporto com regularidade – Importante para manter a saúde física e mental.

Devemos socializar e estar mais com os nossos amigos e familiares – Está provado que melhoramos os nossos índices de felicidade quando nos rodeamos das pessoas de quem gostamos.

Devemos relativizar os problemas – Alguns deles parecem-nos muito sérios, até olharmos para eles com outros olhos.

É recomendável reduzir a ingestão de cafeína – Experimente trocar o café por chá verde e tomar magnésio, uma vez que este mineral melhora a saúde em geral.

Se seguir estes conselhos deverá conseguirá controlar os níveis de stress e terá uma vida mais relaxada e feliz. Se nada disto resultar, aconselhamos que procure ajuda profissional especializada.

 

[1] Palmer, S., Cooper, G., “How to deal with stress”, 2013

[2] Lazarus, R., Folkman, S., “Stress, apraisal and coping”, 1984

 

Publicado: 10-08-2018