O medo sempre nos acompanhou desde os tempos antigos com o primeiro ser humano até ao presente e, muito provavelmente, continuará a acompanhar-nos no futuro, pois é uma condição humana. O medo existe nas nossas vidas para nos proteger; curioso, certo? É uma sensação que coloca o nosso corpo e mente em alerta com o objetivo de sobreviver a um risco ou perigo.

Mas isso significa que temos que ter medo de tudo? Claro que não! Em muitos casos, mesmo que tenhamos medo de alguma coisa, devemos lutar e seguir em frente.

Alguns dos nossos medos impedem-nos de aproveitar e celebrar a vida ao máximo. Neste artigo analisamos quais são os nossos principais medos e como enfrentá-los para desprender-se de limitações impostas por si.

- O medo daquilo que vão pensar de si. Muitas vezes preocupamo-nos com o que pode ser dito sobre nós. No entanto, não nos damos conta de que devemos ponderar se é mais importante o que as pessoas vão pensar de nós ou fazer aquilo que gostaríamos de fazer.

- O medo do que vai/pode acontecer. Em algumas ocasiões paramos para pensar no que poderia acontecer se fizermos alguma coisa e isso, intrinsecamente, não é negativo, mas há momentos em que esse medo nos impede de fazer o que queríamos fazer. É por isso que é importante que, às vezes, nos deixemos levar e não pensemos apenas nos riscos e nas consequências, mas também nas coisas boas que podem resultar de uma determinada ação.

Mas, por que o medo nos impede de fazermos aquilo que queremos?

Primeiro de tudo, porque não nos permite ver o lado positivo, só nos mostra as desvantagens, riscos e perigos. Além disso, o medo atrasa-nos e deixa-nos de pé atrás quando se trata de fazer algo que sai da nossa zona de conforto quando, na verdade, se não assumirmos riscos perdemos o melhor desta vida.

Se quer celebrar a vida, celebre-a, não deixe que o medo o retenha, porque nada é mais importante do que fazer aquilo que gosta e sonhar alto.

Publicado: 12-11-2018