Alguma vez se sentiu invadido por sentimentos de raiva, ansiedade ou frustração após um simples mal-entendido com outra pessoa?

Certos encontros com amigos, familiares e colegas de trabalho trazem muitas vezes sentimentos negativos que influenciam os nossos dias, sem permitir dar o melhor de nós mesmos. Gostaríamos de ser capazes de gerir todas essas sensações de forma mais fácil, mas nem sempre se revela tão simples.

Gerir e controlar os nossos sentimentos e os dos outros, usando-os como guia para o pensamento e a ação é aquilo a que chamamos Inteligência Emocional; uma valiosa qualidade que nos faz pessoas mais capazes e dispostas a enfrentar os problemas que a vida nos apresenta.

Segundo os autores do livro “A Inteligência Emocional 2.0”, Travis Bradberry e Jean Greaves, só 36% das pessoas consegue identificar as suas próprias emoções. A partir de um estudo[1] realizado com mais de 500 mil participantes, os autores concluem que o coeficiente emocional responde por 58% do bom desempenho em todos os campos profissionais. Além disso, descobriram que esta qualidade pode ser desenvolvida através de certas práticas.

Estas são algumas práticas que selecionámos e que ajudarão a melhorar o seu desempenho em qualquer meio social:

 

Conheça-se a si mesmo:

É capaz de identificar e justificar as suas emoções nos diferentes contextos em que se movimenta? Observar a forma como as nossas emoções afetam as nossas ações, avaliar o quão imparciais e justos somos, e agir de forma consequente com o que pensamos e o que fazemos, ajudará a conhecer-nos melhor e a moldar as nossas ações sem sermos completamente controlados por elas. Estar aberto a críticas construtivas de amigos e colegas de trabalho ajudará a perceber alguns defeitos difíceis de identificar em si mesmo.

 

Pratique o autocontrolo:

Evitar explosões emocionais e respostas sem meditar, não se deixando levar por sentimentos momentâneos é uma prática que pode incorporar na sua rotina com a segurança de que trará equilíbrio à sua vida. Quando estiver diante de uma situação ou pessoa conflituosa e se sinta invadido por sentimentos negativos, deixe passar uns minutos ou durma sobre o assunto antes de uma resposta da qual se poderá arrepender minutos depois. Os conflitos são passageiros; deixar-se levar por sentimentos pontuais à flor da pele só servirá para atrair mais problemas.

 

Seja otimista:

Pessoas com alta inteligência emocional são normalmente mais otimistas que outras. Não se abalam perante situações complicadas e enfrentam os problemas com a certeza de que serão capazes de superá-los. Aproveitam os momentos difíceis para aprender e crescer pessoalmente e prestam atenção às boas qualidades das pessoas, em lugar de se concentrarem somente nos defeitos e em julgar de forma preconceituosa. Pode escolher a janela pela qual observa a vida; cultivar esta forma de estar só trará benefícios à sua vida.

 

Empatize com as pessoas:

O que é importante para si pode não o ser para outra pessoa. Escute e considere as emoções do outro, bem como a situação na qual se encontra. Entender o que o outro pensa e respeitar essa posição pode ajudar na resolução de problemas.

Respeitar espaços, momentos e desejos; controlar o tom de voz e a forma como se dirige a cada pessoa (dependendo sempre do caráter e da relação que tenham estabelecido), ajudará a tirar proveito das suas relações, a abrir canais de comunicação e a estabelecer sólidos vínculos de confiança.

 

Esforce-se na sua comunicação:

Potencializar os dotes de comunicação é um bom caminho para desenvolver a inteligência emocional. Além da empatia quando escutamos os outros, devemos levar em conta com quem estamos a conversar e qual a linguagem que podemos usar com essa pessoa. Por exemplo, nem todos temos sentido de humor para aceitar brincadeiras, nem todos gostam de contacto demasiado próximo. Cada pessoa é um mundo e devemos respeitar as particularidades de cada um. Muitas vezes achamos que lidamos com pessoas difíceis quando na verdade somos nós que não utilizamos uma aproximação correta.

 

Seja assertivo na forma em que se expressa

Devemos expressar diretamente as nossas opiniões, sentimentos e vontades no momento certo e da forma mais adequada. Não precisa de ser agressivo, mas também não precisa de se submeter à vontade de outras pessoas. Esta habilidade é rara e difícil de desenvolver. Dentro da atividade profissional, a assertividade é uma característica fundamental das pessoas que sabem liderar e que têm sucesso na tomada de decisões.

 

Fomente a motivação:

Trabalhar com determinação e na busca de resultados positivos é uma qualidade de pessoas emocionalmente inteligentes. Com uma alta dose de motivação será muito mais provável atingir os seus sonhos e objetivos. Se tentar controlar as distrações e se mantiver confiante em que será capaz de conseguir aquilo a que se propõe, terá metade do caminho conquistado.

 

 

[1] Bradberry, Travis; Greaves, Jean; “A Inteligência emocional 2.0”, 2012. (https://goo.gl/Y3u35X)

Informação Adicional:

Site Oficial de Daniel Goleman, autor do livro “Inteligência Emocional”,1995. (http://www.danielgoleman.info)

Publicado: 10-08-2018