Ansiedade é um termo geral usado para designar vários distúrbios que causam nervosismo, medo, apreensão e preocupação. Sintomas estes que afetam de maneira diferente os comportamentos e o dia a dia de quem os sofre. A ansiedade é por um lado, uma emoção natural e, por outro, um distúrbio patológico que requer atenção médica. Segundo um estudo do Lisbon Institute of Global Mental Health, 30% dos portugueses sofrem de ansiedade ou depressão1.

Apesar da ansiedade ser algo que todas as pessoas sintam em algum momento das suas vidas, é algo que afeta cada pessoa de forma diferente, razão pela qual é muito difícil explicá-la a nível pessoal.

Se sofre de um transtorno de ansiedade e já tentou explicá-lo a alguém que nunca passou por isso, saberá como é uma tarefa que pode ser difícil. Isso porque a maioria das pessoas automaticamente remetem para as suas próprias experiências de ansiedade, que serão totalmente diferentes das suas. É por isso que é tão difícil que se identifiquem e compreendam as suas experiências.

A melhor forma de esclarecer o que sente é explicar as diferenças entre a ansiedade como emoção natural e como transtorno patológico.

A ansiedade como emoção natural

É uma reação normal que podemos sentir em certos eventos e situações das nossas vidas. A ansiedade é uma maneira que temos de nos proteger. Diante de um perigo aparente, a ansiedade mantém-nos alerta e prepara-nos para defendermo-nos ou fugirmos de uma situação de risco.

Até um certo ponto, a ansiedade pode ser bastante útil. Por exemplo, a ansiedade que sente quando está sozinho num parque de estacionamento de noite, permite-o estar alerta e pronto para qualquer perigo que encontrar. A ansiedade que sente quando tem um exame difícil, motiva-o a estudar mais. Estes são dois exemplos do que é considerado a ansiedade natural, algo que todos os seres humanos experimentam.

A ansiedade como transtorno patológico

Enquanto a ansiedade como uma emoção natural é algo que acontece em momentos específicos que nos causam algum tipo de nervosismo, os transtornos de ansiedade tendem a ser crónicos e interferem muito com o dia a dia daqueles que os sofrem. O comportamento de evitação, preocupação incessante e problemas de concentração e memória são alguns sintomas de um transtorno de ansiedade. Estes sintomas podem ser tão intensos que provocam dificuldades familiares, laborais e sociais.

As consequências de um transtorno de ansiedade podem ser tanto físicas (como palpitações e dores de estômago) como mentais, levando a uma distorção dos pensamentos que se tornam uma fonte de preocupação excessiva e podem levar, mesmo, a mudanças no comportamento. Este tipo de ansiedade requer um acompanhamento médico, com o qual pode ser tratada e controlada.

1 https://www.publico.pt/2016/11/25/sociedade/noticia/saude-mental-piorou-com-a-crise-um-em-cada-tres-portugueses-tem-problemas-1752456

 

Publicado: 05-09-2018