O açúcar é a perdição de quase todos, o seu sabor doce torna tudo mais saboroso e apetecível. No entanto, sabe-se que o consumo excessivo pode levar a sérios problemas que não consideramos quando comemos inocentemente um pacote de bolachas. Se, como muitos, já tentou reduzir o consumo de açúcar, sabe como isso pode ser difícil.

Quando consumimos alimentos ricos em açúcar, os centros de recompensa do cérebro são ativados. Ao mesmo tempo, uma grande quantidade de dopamina é libertada. É isso que faz com que o açúcar saiba tão bem. Quando comemos alimentos com alto teor de açúcar frequentemente, desenvolvemos uma tolerância que nos provoca o desejo de comer mais açúcar para obter o mesmo nível de recompensa. Com o tempo e com uma super estimulação desses centros de recompensa, desenvolvemos um vício em açúcar porque, simplesmente, nos faz sentir bem quando o comemos.

No entanto, existem alternativas mais saudáveis ao açúcar, que pode usar para adoçar os seus pratos sem comprometer a sua saúde. Ainda assim, apesar de serem considerados alimentos mais saudáveis e naturais, a palavra-chave é: moderação!

 

Açúcar de Panela: Vem da cana-de-açúcar e é considerada um açúcar mais natural. Sendo menos processada, a panela fornece mais vitaminas e nutrientes como cálcio, fósforo e vitaminas do grupo B.

 

Mel: O mel cru fornece vários antioxidantes e propriedades antibacterianas e antifúngicas. Mesmo que seja um alimento mais calórico do que o açúcar, o mel é mais doce e, por isso mesmo, não precisa de uma dose tão grande.

 

Açúcar de coco: Esta é uma boa alternativa ao açúcar branco porque é menos processado e tem um índice glicêmico mais baixo. Além disso, o açúcar de coco fornece vitaminas e minerais, como cálcio, potássio e zinco.

 

Estévia: A estévia é a alternativa mais saudável e menos calórica ao açúcar. É 100 a 200 vezes mais doce que o açúcar branco e não provoca um aumento nos níveis de açúcar no sangue. A única coisa que deve ter em conta, é que esta alternativa tem um sabor especial que nem todos apreciam.

 

Fonte: https://psicologiaymente.net/neurociencias/sistema-recompensa-cerebro

Publicado: 10-08-2018