O dinheiro afecta praticamente tudo nas nossas vidas – carreira, estilo de vida, até mesmo as crianças. É também uma das razões para muitos divórcios.

Catey Hill, escritora na página web Smart Money e autora de Shoo, Jimmy Choo! TheModern Girl’s Guide to Spending Less and Saving More, deixa-nos alguns conselhos sobre como manter as carteiras e os corações alinhados.

 

• Definam as prioridades em conjunto. É recomendável que os casais criem duas listas de objectivos e que procurem os pontos de contacto entre elas. “Quais são as principais preocupações: poupar para a reforma? Viajar? Pagar a educação dos filhos? Escrevam tudo, comparem notas e criem um plano conjunto”.

Mas não é preciso partilhar tudo. “Algumas pessoas são gastadoras, outras são poupadoras,” acrescenta Catey Hill. “Partilhe uma conta bancária, mas mantenha a possibilidade de ter uma apenas sua”. Isto não significa que tem liberdade para manter segredos – a infidelidade financeira faz tantos estragos como qualquer outra – mas sim uma certa independência.

• Esperem o inesperado quando se trata de carreiras profissionais. “As mudanças acontecem. Por exemplo, casou-se com um profissional de saúde que de repente quer trabalhar numa área criativa. Ou imagine que um de vocês é despedido?” questiona-se Hill. “Os casais devem ter os «ses» bem presentes. Se pouparem de acordo com essas possibilidades, será mais fácil gerir situações dessas.

Muitas mudanças profissionais são também mudanças no estilo de vida. Pode ser necessário ajustar o orçamento aos salários. É importante perceber que nem todas as mudanças têm a ver com o aumento salarial. A felicidade é muito importante e deve ser respeitada.

• Conversem sobre filhos – e os desafios financeiros que acarretam. As crianças podem complicar ou alterar a nossa vida de formas que são difíceis de prever. As expectativas também variam de pessoa para pessoa: quantos filhos? Escola pública ou privada? “Muitas pessoas querem oferecer o melhor possível aos filhos, mas se gastarem todo o dinheiro neles, não podem construir uma poupança para a reforma ou um fundo de maneio”, diz Catey Hill.

 

Concluindo, definam prioridades em conjunto e procurem pontos em comum nos vossos objectivos. Não batalhem por objectivos individuais, mas tentem conjugá-los. Afinal, essa partilha é uma das fundações do casamento ou da vida em conjunto.

 

Informação Adicional:

The New York Times, 2009, “Money Fights Predict Divorce Rates”: http://nyti.ms/2aM3ikj

Publicado: 17-07-2018