METLIFE MOSTRA COMO OS SEGUROS DE VIDA BENEFICIAM AS PESSOAS E A ECONOMIA

  • Os Seguros de Vida oferecem uma forma eficiente de proporcionar proteção financeira e tranquilidade a muitas famílias, além de serem um dos contribuintes fundamentais para o crescimento económico a longo prazo e para aliviar a pressão das despesas sociais.

 

A indústria de seguros de vida e acidentes é um catalisador para o crescimento económico e é importante para a saúde geral e bem-estar financeiro das famílias, assim mostra o estudo conduzido pela MetLife, ‘A contribuição social e económica da indústria dos seguros de vida’, realizado pelo The Battle Group.

De acordo com o estudo da MetLife, as seguradoras de vida são vitais para uma economia e sociedade modernas que funcionem com eficiência, e são um dos principais contribuintes para permitir um crescimento económico robusto a longo prazo[1].

Em Portugal, mais de 6 milhões de pessoas[2] estão protegidas com o seguro de vida risco (individuais e grupo), ligados a coberturas na sua maioria de morte ou invalidez. Além de se tratar de um instrumento de aforro e de prevenção, o seguro de vida serve para cobrir necessidades tão distintas como a reforma, a proteção familiar face a falhas de pagamentos ou mesmo a amortização de hipotecas como proteção do património familiar. Em 2018 foram pagos mais de 400 milhões de euros por falecimento.  O que mostra como este tipo de seguro é um instrumento de poupança e prevenção que pode atender a diferentes necessidades. Estes seguros saldam a dívida pendente com o banco e, desta forma, evitam que a família sofra dificuldades económicas se algum dos titulares do empréstimo falecer ou perder os rendimentos que recebia para pagar o crédito.

Como os Seguros de Vida beneficiam as pessoas

O setor dos Seguros de Vida oferece proteção a milhões de famílias contra o risco de uma morte prematura, doença, invalidez ou pensões de reforma inadequadas. As seguradoras que oferecem esses tipos de produtos melhoram a qualidade de vida dos clientes e oferecem uma forma eficiente de proporcionar uma rede de proteção financeira e tranquilidade a muitas famílias. Os seguros de vida estão, portanto, amplamente difundidos na sociedade portuguesa.

O Seguro de Vida também oferece aos segurados e seus dependentes a tranquilidade que acompanha a segurança financeira, um benefício inestimável e intangível. Essas apólices protegem do stress e ansiedade; uma vez que a preocupação constante com a segurança financeira pode inibir a produtividade e a criatividade individuais.

Como o Seguro de Vida beneficia a economia

As seguradoras de vida são cruciais para o funcionamento eficiente da economia e contribuem fundamentalmente para o crescimento económico a longo prazo e a melhoria dos padrões de vida. Por exemplo, ajudam a canalizar as poupanças familiares de grande parte da população para investimentos produtivos. Promovem o crescimento económico por meio dos próprios canais de financiamento e investimento. Não surpreende que os seguros representem 6% do PIB da economia nacional.

As seguradoras de vida são uma fonte crítica de capital para a economia em geral. Igualam cuidadosamente os ativos e os passivos, conforme exigido pelas práticas comerciais prudentes e pela regulamentação de seguros. Investem principalmente em ativos de renda fixa para corresponder a passivos de longo prazo associados a seguros de Vida e renda vitalícia. Além disso, as seguradoras reduzem em grande medida a necessidade de ativos líquidos e permitem desempenhar um papel estabilizador no sistema financeiro durante crises financeiras. E desempenham um papel crítico no mercado de dívida de colocação privada.

Outros benefícios do Seguro de Vida

A nível macroeconómico, a indústria de Seguros de Vida proporciona flexibilidade e dinamismo ao sistema público de pensões. A APS estima que, em finais de 2018, o volume total (extrapolado) das responsabilidades Vida se situava em torno dos 42 mil milhões de euros[3], representando uma subida de perto de +4% quando comparado com período homólogo. E, dos 19 mil milhões de euros investidos em PPR, cerca de 86% (17 mil milhões) estão sob a forma de seguro.

Além disso, as seguradoras de produtos de Vida ajudam a aliviar indiretamente as despesas do Estado noutros programas de assistência social, mantendo as famílias fora da pobreza em caso de incapacidade ou morte.

 

[1] Fonte: MetLife/The Battle Group “A contribuição social e económica da indústria dos seguros de vida”

[2] Fonte: ASF Estatísticas Ramo Vida https://www.asf.com.pt/ISP/Estatisticas/seguros/estatisticas_anuais/historico/ES2018/C4.pdf

[3] Fonte:APS Panorama do Setor Segurador https://www.apseguradores.pt/Portals/0/doc/numeros/SegurosEmPortugal2018-19_PT.pdf?ver=2019-10-29-121317-437

Para mais informações ou Gestão de entrevistas: TINKLE

Rui Silva rsilva@tinkle.pt | +351 912 454 299

Mónica Marques mmarques@tinkle.ptm  | +351 912 584 282

 

Sobre a MetLife

A MetLife, Inc. (NYSE: MET), através das suas subsidiárias e afiliadas (“MetLife”), é uma das maiores companhias de seguros de vida do mundo. Fundada em 1868, a MetLife é uma seguradora global de seguros de vida, pensões, benefícios para funcionários e gestão de ativos. Com cerca de 100 milhões de clientes, a MetLife opera em quase cinquenta países e mantém posições de liderança no mercado dos Estados Unidos, Japão, América Latina, Ásia, Europa e Médio Oriente. Para mais informações, visite www.metlife.pt.